A migração do Pato Econômico para o sul

Não foi só essa blogueira aqui que curtiu Buenos Aires recentemente. O nosso amigo Ernesto, o grande Pato Econômico e incansável viajante, também esteve lá (e também em Ushuaia) e nos enviou as suas dicas de como aproveitar bem a cidade sem abusar nos gastos. Com a palavra, Ernesto:

Passeio web para planejar o que você quer fazer: www.bue.gov.ar (com opção de português na parte superior da tela). Boas dicas de roteiros a pé, com mapas, e das atividades que estão muvucando. Um dos melhores sites oficiais que já vi até hoje.

Câmbio: Use sempre o Banco de La Nacion, especialmente se for trocar Reais. A taxa do Banco é 15% melhor do que a das casas de câmbio da Florida e torna desnecessário o trabalho de trocar Reais por Dólares, e estes por Pesos. O Banco de La Nacion fica depois do desembarque, logo à direita. Lembre-se que o dólar é bem aceito em compras, mas, em geral, a cotação do real não é boa.

Museu Evita: Toda a história de Evita Peron. Para você que gostou de Evita…Rua Lafinur 2988, Metro Plaza Italia. Lá perto você pode conhecer o Jardim Botânico (grátis), o Zoológico de Buenos e o Jardim Japonês (8 pesos cada um). Perto dele há um shopping novo e vazio onde você pode fazer compras, o Pátio Alcazar.

Táxi: Nunca tive qualquer problema, mas como já ouvi alguns relatos de pessoas que tiveram problemas, como voltas e notas falsas, recomendo pegar sempre os rádios táxis, que estão marcados na porta como tais. Os ônibus velhinhos são charmosos, mas você precisa de moedas no valor exato, pois a cobrança é por máquinas automáticas que não dão troco. A tarifa são ridículos 60 centavos de Real: 1 peso…O metro, que lembra bastante o de Paris, também merece ser conhecido.

Atrações culturais: Acho imperdíveis o Museu Nacional de Bellas Artes, Avda. Libertador 1473 – Horários: Terça a Sexta, de 12:30 às 20:30, Sábados e Domingos, de 9:30 às 20:30 (www.mnba.org.ar) Entrada gratuita. O Malba – Fundación Constantini (www.malba.org.ar) tem uma curiosa coleção de arte moderna, que, pela sua qualidade, agrada até aqueles que não são tão fãs de arte moderna como eu. Fica na Avda. Figueroa Alcorta 3415. Entrada a 14 pesos, mas é grátis na quarta-feira.

Novo e desconhecido: O museu do Tango, ao lado do Café Tortoni, a partir das 13:30, é uma das melhores barbadas de Buenos. Verifique antes pois geralmente de terça a quinta, há ensaios de orquestras de tango. Música de qualidade, em ambiente informal, além da história do tango.

Restaurantes: Fui na dica do Riq. Gostei muito do peruano que ele indicou, o Ceviche, na Costa Rica 5644, com almoço executivo a 30 pesos, e o La Cabrera, churrascaria na Cabrera 5099, com excelentes carnes a aproximadamente 70 pesos por pessoa, com vinho. Ótimas dicas no site www.guiaoleo.com.ar . Apesar do nome estranho, é um guia bem atualizado de restaurantes, com todos os tipos de comidas. Uma churrascaria bem tradicional é o La Estancia, perto do Obelisco.

Compras de casacos de couro, de excelente qualidade, por 140 dólares: Leather Shop, na Florida 544.

Melhores compras: maquiagem, roupas em geral, CDs e comestíveis.

Boas e novas dicas de Hotéis em Bs. As.: todos ficam no Centro, perto da 9 de Julho e Av. de Mayo, e ao lado do metro (Peru). Nenhum deles está nos consolidadores de hotéis tradicionais. Os preços que obtive foram no carnaval brasileiro, assim talvez numa temporada mais baixa seja possível negociar um desconto melhor. Os preços abaixo são para casal e incluem o IVA:

  • Hotel dos anos 30, bem arrumado e que conserva o esplendor da época de ouro de Buenos, com ótimo café da manhã, onde viveu Garcia Lopes, com diárias de 110 dólares. Castelar, na Av. de Mayo 1151. www.castelarhotel.com.ar
  • Minha dica de pato econômico é um Hotel pequeno, limpo, remodelado, com quartos agradáveis e ótimo chuveiro (não se deixe levar pela recepção, que é feia, e pela placa do American Express, que sugere locais caros). A diária para pagamento em dinheiro é de 150 pesos, ou cerca de 48 dólares: Splendid Hotel – www.hotel-splendid.com.ar – reservas: ventas@hotel-splendid.com.ar (falar com a gerente Carmen, muito simpática).
  • A melhor dica econômica para quem quer economizar e não quer ficar em albergue, diárias a partir de 35 dólares, é um hotel recém remodelado: Hotel Alcazar, Av. de Mayo 935, tel. 4535-0926 (não tem site). O preço não inclui café da manhã.

É isso aí, Ernesto! Quem sabe algumas dicas de Ushuaia também? ;-)

Fim de ano, fim de viagem

Ao voltar de um dia cheio (de sol) em Colonia, tudo o que queríamos era relaxar um pouco na nossa casinha portenha temporária. E era mesmo fundamental, pois era noite de Reveillon e ficar em casa não era uma opção…

Preferimos fazer a ceia em casa mesmo. A cidade estava totalmente cheia de turistas norte-americanos e europeus, conseqüência: os preços nos restaurantes estava inacreditável, fora que comida servida nestas circunstâncias costuma ser apenas aceitável. Fizemos nossas comprinhas no Carrefour do Shopping Alcorta (obrigada, Sylvia!) e trouxemos algumas gostosuras do free shop do barco também. Foi ótimo ;-)

Aproveitamos para comprar algumas mini-Chandon, que foram devidamente geladas até a hora de sair para a rua. O centrinho da Recoleta estava um sossego, mas tínhamos ouvido falar que alguma coisa acontecia em Puerto Madero. Táxi!

Mas cadê táxi nas ruas? Nada, nada…quando vinha um, estava tomado. Demorou um bom tempo até conseguirmos um em que o taxista mal-humorado despejava todo o seu veneno sobre esse hábito brasileiro de festejar a passagem do ano. Fogos? Pra quê? Aparentemente todos os argentinos estavam em casa quietinhos. Um pouco de conversa e veio uma certa melancolia: ‘Acho que, na verdade, somos um pouco tristes’. Ahh…fica assim não, moço. Cada um comemora do seu jeito ;-)

Em Puerto Madero finalmente vimos onde estavam as pessoas naquela cidade. Bem, pelo menos todos os brasileiros, hehe…e alguns europeus também. O clima estava ótimo, gente de todas as idades passeando, os restaurantes lotados, alguns com música na parte externa, gente dançando em toda parte.

Tudo estava lindo, muito iluminado, os barcos passando cheios de festa…uns fogos (até que bem razoáveis) estourando, espumantes abertos e aí está 2008 -D

Nos surpreendemos positivamente, achamos que seriam meia dúzia de gatos pingados reunidos para comemorar o Reveillon, mas parece que subestimei a nossa vontade de festejar (e a quantidade de brasileiros em Buenos Aires ). Foi uma noite muito divertida e gostosa. Para quem estiver pensando em algo parecido no próximo ano, ficam as sugestões:

1. Táxis são um problema nesta noite. Procure ir mais cedo do que fomos para Puerto Madero (já era quase 23:30 quando chegamos lá) e a volta…é um mistério. A não ser que consiga marcar com algum taxista, é bem provável que se volte a pé um certo trecho até conseguir um carro.

2. Fora Puerto Madero, não há muito a se fazer na cidade, que fica totalmente vazia. Os restaurantes pega-turista da Recoleta ficam cheios de gente pagando até 300 pesos por uma ceia, mas a animação é zero (pelo menos do jeito que gostamos).

3. Se possível, volte para o Brasil no primeiro dia do ano. A cidade fica absolutamente morta depois do Reveillon e até mesmo Palermo parecia um bairro fantasma. A Recoleta começou a despertar somente no final da tarde.

Depois de um dia de descanso e com a perspectiva de voltar para casa no dia seguinte, nada como fechar bem a viagem: uma visita ao Faena para jantar no famoso El Bistro e seus unicórnios starckianos -D

(site do Faena Hotel + Universe)

Até a próxima, Buenos! ;-)